Como lidar com o ladrar constante do cão do vizinho

Dicas e conselhos sobre como resolver o problema destes "vizinhos" ruidosos

Aprender a resolver conflitos com vizinhos com animais de estimação / Gtres
Aprender a resolver conflitos com vizinhos com animais de estimação / Gtres
24 março 2020, Redação

Mudaste-te para Espanha, encontraste um belo apartamento mas, tens um pequeno problema... vizinhos barulhentos e não o tipo de vizinhos barulhentos que poderias esperar. Às vezes, quando se vivemos num prédio ou numa área residencial com uma "comunidad de vecinos" (associação de condomínio), como acontece muitas vezes em Espanha, a vida pode tornar-se numa eterna negociação quando surge um conflito. Uma possível causa de reclamação e conflito pode ser o ladrar contínuo do cão do teu vizinho. Se uma conversa com o teu vizinho não for suficiente para resolver o problema, aqui ficam alguns conselhos a seguir para pôr fim à situação e à tensão.

Quando tens um animal de estimação em casa, tens de perceber que estás a cuidar de um animal que precisa de satisfazer as suas necessidades biológicas, e que tanto os cães como os gatos estão habituados a ambientes exteriores onde têm a liberdade de correr, explorar ou simplesmente brincar. Assim como o dono do animal deve atender às necessidades do animal, também deve cumprir o Código Civil e os estatutos que regulam o tratamento de animais e animais de estimação, assim como o barulho entre vizinhos.

Os proprietários são os responsáveis finais por qualquer situação provocada ou causada pelo seu animal de estimação no ambiente de um edifício residencial de apartamentos. No caso dos cães, podem surgir conflitos devido ao barulho que estes produzem devido ao latido.

Segundo a firma de advogados Ayala & Gonzalez, em Madrid, especializada em poluição sonora e perturbações sonoras, "o latido ocasional não é uma questão de reclamação, mas quando o latido é contínuo e excede o limite de ruído que impede as famílias vizinhas de descansar, então sim", e isto é devido aos consequentes danos à saúde que poderiam ser causados.

Para saber o que fazer nesta situação, os advogados recomendam estes passos:

  • Antes de nada, fala com os vizinhos donos do animal para que eles tenham consciência do incómodo que o seu cão está a causar. "Muitas vezes não são conscientes dos danos à saúde e descanso que estão a causar, e se conversares com eles de forma calma e com um espírito conciliador, muitas vezes, os donos do animal procurarão uma solução para o problema. O treino do animal com um profissional pode ser uma solução potencial.
  • Se o problema persistir, procura o apoio de outros vizinhos que também possam ser afetados pelo latido do cão, mesmo que sejam afetados em menor grau. Tenta negociar novamente, desta vez na presença de uma testemunha que deveria ver que estavas disposto a resolver o problema.
  • Se persistir uma atitude relutante ou inútil do dono, ou se constatamos que não pretende agir sobre a situação, deves chamar a polícia local para fazer medições do nível de ruído e testemunhar o latido. Cabe às autoridades de cada zona estabelecer o limite de ruído permitido na localidade, com os seus próprios critérios. A Organização Mundial de Saúde (OMS) estabelece limites de ruído durante o dia (60 decibéis) ou durante a noite (40 decibéis).
  • Podes então queixar-te à tua Câmara Municipal se as normas de ruído não tiverem sido cumpridas. A Câmara Municipal pode iniciar um procedimento de sanção contra o dono do cão.
  • Em casos extremos, a última opção disponível consiste em recorrer aos tribunais civis. Nestes casos, o animal pode ser transferido para um canil ou os donos podem até ser privados do direito de usar a casa, uma medida que pode durar até três anos.

E se for eu quem está a incomodar o resto dos vizinhos com o latido do meu cão?

Um cão a ladrar é algo completamente normal, é a sua forma de comunicar, afinal de contas. Tal como com as pessoas, é preciso saber ouvir o animal para saber o que lhe está a acontecer. Se um animal, que por hábito não ladra à noite, começa a fazê-lo continuamente, como dono deves estar ciente de que é porque algo está a acontecer ao teu animal de estimação.

Na maioria dos casos, é simplesmente para chamar a atenção para ruídos ou pessoas que consideram estranhas ou para pedir atenção ao seu dono se o deixou sozinho, especialmente por longos períodos de tempo. Antes de nada, nunca deixes o teu animal sozinho. O animal é da tua responsabilidade e deixá-lo sozinho por um longo período de tempo pode levar à chamada ansiedade de separação.

Como dono de um animal de estimação, também podes procurar a ajuda de um treinador de cães para uma educação adequada se necessário (e escolher essa opção provavelmente seria mais barato do que ir a tribunal por questões civis)!

Preparado para encontrar a casa dos teus sonhos?

Preparado para encontrar a casa dos teus sonhos?

Encontra casas à venda e em arrendamento a largo prazo no idealista