Os preços das casas em Espanha em 2021

As previsões de especialistas do mercado imobiliário em Espanha no meio da pandemia do coronavírus mostram que os preços deverão descer, mas não em todos os casos.

Os preços das casas descerão em Espanha em 2021?
Os preços das casas descerão em Espanha em 2021? / Gtres
22 fevereiro 2021, Redação

Os preços das casas diminuirão em Espanha em 2021? Será 2021 uma boa altura para investir em imóveis em Espanha? Estas são apenas algumas das questões que percorrem a mente daqueles que planeiam mudar-se para Espanha em 2021, mas que podem ter suspendido os seus planos devido à pandemia do coronavírus. Com alguns peritos a afirmar que as descidas de preços estão nas cartas no mercado imobiliário espanhol e que agora é uma boa altura para comprar em Espanha, estamos aqui para te dar o quadro completo das previsões dos peritos do mercado imobiliário quando se trata dos preços imobiliários em Espanha em 2021.

A evolução da pandemia sanitária nem sempre significará descidas de preços

O futuro imediato da habitação em Espanha está ligado à evolução da pandemia sanitária e da vacinação em massa da população. Numa altura de máxima incerteza, o mercado espera que a primeira metade de 2021 seja instável, embora os especialistas estejam confiantes de que a recuperação económica e imobiliária em Espanha começará no verão.

Significa isto que iremos assistir a grandes quedas nos preços das casas em Espanha nos próximos meses? Este pode certamente ser o caso em algumas áreas, mas não inteiramente. De acordo com os peritos do mercado imobiliário, as perspectivas para a construção de habitações novas em Espanha são muito mais claras do que as de propriedades anteriormente detidas. Este é um mercado que irá provavelmente registar uma maior variação de preços e dependerá principalmente da localização das propriedades e da dureza das medidas de confinamento na mais recente onda COVID-19.

Estabilidade em novas habitações e desenvolvimentos e aumentos de preços

A maioria dos peritos concorda que a curto prazo não há sinais de que as casas novas em Espanha passem a ser mais baratas, enquanto que este tipo de investimento tem muitas vantagens, dada a situação atual.

Mikel Echavarren, CEO da empresa de consultoria Colliers, explica que "as novas construções em Espanha não vão baixar de preço. As suas melhores qualidades, a possibilidade de estruturar a compra ao longo de vários anos e o seu melhor financiamento permitirão manter os atuais níveis de preços". A mesma teoria é defendida por Sandra Daza, Diretora Geral da Gesvalt, que acredita que a tendência a que já assistimos em 2020 (quando os preços das novas construções em Espanha atingiram os máximos da década) irá continuar, pelo menos durante os primeiros meses de 2021. Segundo Daza, isto "pode dever-se ao fato das novas construções se terem adaptado melhor às necessidades das pessoas em Espanha após a pandemia, oferecendo um maior número de casas de banho, terraços maiores e um aumento da qualidade e especialização dos espaços e serviços comuns".

Maior impacto na habitação própria em Espanha

No caso de habitações usadas em Espanha, os peritos esperam mudanças de preços mais significativas, embora nem sempre em termos de descidas. Em termos gerais, a localização, as medidas de confinamento aplicadas por cada região em Espanha e o tipo de propriedade serão os principais fatores que determinarão a evolução dos preços, bem como o grande excesso de oferta acumulada ao longo dos últimos meses.

"Os proprietários de imóveis usados em Espanha antecipam quedas de preços entre 5-10%, com comportamentos muito diferentes entre cidades, com maiores diminuições nas áreas mais afetadas pela crise no setor turístico e hoteleiro. Neste sentido, reduções de mais de 10% em algumas cidades coexistirão com aumentos de preços noutras", diz o CEO da Colliers, que acrescenta que "infelizmente, o impacto no emprego está a afetar os empregos temporários, os jovens e os rendimentos mais baixos e por isso não afetará muito significativamente a procura solvente que compra casas. Como consequência, o impacto nos preços irá concentrar-se mais nas casas das famílias que são obrigadas a liquidar parte dos seus bens devido às circunstâncias adversas da sua economia".

Uma recente previsão do idealista aponta também para uma desaceleração da descida dos preços em Espanha, sem excluir um ajustamento ascendente ao longo do ano em locais específicos, enquanto que os agentes imobiliários prevêem um cenário de estabilidade, que vai desde descidas moderadas a aumentos suaves. De acordo com um inquérito realizado pela Unión de Créditos Inmobiliarios (UCI) entre mais de 3.000 profissionais do setor imobiliário em toda a Espanha, 42% acreditam que os preços descerão entre 5% e 10% em toda a Espanha, enquanto que 29% esperam aumentos inferiores a 5%.

Os preços das casas em Espanha mudarão no verão

A chegada do verão, portanto, poderá ser o momento no qual os preços da habitação começarão a mudar em Espanha. Neste sentido, Gregorio Izquierdo, Diretor-Geral do Instituto de Estudos Económicos (IEE), explica que "os preços da habitação em Espanha este ano registarão comportamentos bastante diversificados que tornam difícil falar de uma média de mercado". Sublinha que podem haver "diferenças significativas, mesmo com sinais diferentes, entre produtos, segmentos e localizações".

Um bom exemplo disto pode ser visto nas previsões que estão a ser feitas para Madrid e Barcelona, e para outras grandes cidades com uma indústria turística importante ou mais centrada no setor industrial.

"As alterações mais notáveis são as descidas de 10% (ou mais) nos preços de venda de imóveis em cidades como Palma de Maiorca, Alicante e Málaga, em comparação com a estabilidade dos preços e mesmo aumentos em cidades como San Sebastian e Bilbao. Madrid e Barcelona não estão a sofrer quedas significativas no preço das habitações pré-fabricadas", sublinha o chefe do Colliers.

No caso dos preços das casas na Andaluzia, lar da popular Costa del Sol espanhola, uma região tradicionalmente dinâmica e activa, o endurecimento das medidas para controlar a terceira vaga da pandemia da COVID-19 está a ter um impacto direto na procura. "É verdade que janeiro e fevereiro são tradicionalmente os piores meses do ano, depois de um dezembro hiperativo, mas este ano o número de chamadas para visitar um apartamento na Andaluzia diminuiu em mais de 30%, por exemplo. Veremos o que acontece em março, o mês no qual tradicionalmente a proximidade da Páscoa e do verão marca o início de uma importante atividade de compra e venda de imóveis". No caso das Ilhas Baleares e Canárias, o interesse parece estar em modo "standby", aguardando a chegada de potenciais compradores estrangeiros.

Os preços das casas nas costas espanholas em 2021

No caso de casas localizadas na costa espanhola, marcadas pela procura de segundas casas especialmente para compradores internacionais e estrangeiros, o cenário é ainda muito incerto para 2021. 

Gonzalo Bernardos da Universidade de Barcelona recorda que "a época da compra de casas na costa espanhola tende a ser desde a Páscoa até ao final de setembro na maioria dos locais". Por este motivo, considera que "2021 já é uma época perdida, mesmo que 60% da população tenha sido vacinada até junho", pois "os interessados em comprar não terão confiança suficiente para o fazer este ano".

Sandra Daza salienta também que "a rapidez da reativação da procura internacional será um fator determinante para consolidar a recuperação dos preços no final de 2021". E, como Mikel Echavarren nos lembra, as costas espanholas são o enclave de muitos reformados europeus "e estes destinos não têm concorrência considerando a segurança jurídica e as infra-estruturas que Espanha possui". Por esta razão, o CEO da Colliers afirma que "acreditamos que a primeira coisa que se recuperará no setor imobiliário espanhol serão as segundas casas localizadas na costa".

Preparado para encontrar a casa dos teus sonhos?

Preparado para encontrar a casa dos teus sonhos?

Encontra casas à venda e em arrendamento a largo prazo no idealista